8 de mar de 2015

O Bolo


Troquei as flores do vaso e esfreguei o chão até minhas costas doerem. Como alguém que sofre de transtorno compulsivo, coloquei todos os enfeites da estante em linha reta.

Lavei a roupa escolhida com perfume, talvez um exagero, mas fiz. Deixei-a na cama passadinha, pronta para ser colocada 10 minutos antes de você chegar, não queria que suasse e nem amassasse.

Acessei a Internet e pesquisei as previsões meteorológicas e também o seu horóscopo do dia. Lá estava escrito que seria um dia de surpresas. Claro, não poderia ser diferente. Os astros estavam do meu lado. Ponto pra mim! 

Na minha insegurança, tomei um calmante, mas só metade para não falar demais, porque sou craque nisso. Quando me bate o nervosismo tenho "diarreia verbal".

A playlist foi composta por MPB e Caetano cantaria como nunca nessa noite.

Minha última preocupação foi com a comida, mas fiz exatamente como a Palmirinha explicou na tv.

Tudo pronto. Coloquei a mesa e esperei...

Se eu soubesse que o cardápio seria escolhido por você, eu nem teria feito todo esse esforço.

Passei a noite inteira comendo o enorme bolo que você me deu. Logo eu, que nem de doce gosto...


Nenhum comentário:

Postar um comentário